Digital clock

quinta-feira, 3 de março de 2011

Passando pela fornalha

Este é um assunto baseado na história dos três companheiros de Daniel. Ao meditar no testemunho destes varões intrépidos, percebo a convicção que eles tiveram em servir ao Senhor a ponto de não temerem a palavra do rei Nabucodonosor. A fornalha de fogo ardente não foi a única maneira de Deus testá-los; já antes o Deus de seus pais os tivera posto em prova. Vejamos:
1º Fornalha: Cultura babilônica - Sendo eles levado cativo para a Babilônia, poderiam eles adaptarem-se aos costumes do povo caldaico esquecendo-se das tradições de seus pais. Porém, renunciaram as regalias daquele país, para os quais, foram levados lembrando-se do Deus de seus antepassados. Enquanto estivermos neste mundo, estaremos propenso a usufruir daquilo que está à nossa volta, mas, que pode nos afastar do Senhor. Que possamos estar mais firmes, pois, mesmo em "Babilônia", somos o "Israel de Deus" (Gl 6.16).
2º Fornalha: Os manjares apetitosos - Enquanto os outros jovens hebreus se deliciavam nos manjares que lhes eram servidos por determinação do rei, Hananias, Misael, Azarias e Daniel decididamente abriram mão dessas delícias - consagradas aos deuses babilônicos - preferindo agradarem ao seu Deus alimentando-se de legumes (Dn 1.12-16). Com isso, aprendemos que a verdadeira fidelidade a Deus consiste em honrá-lo de coração abdicando as ofertas saborosas que o diabo põe a nossa frente.
3º Fornalha: O caráter religioso - Os caldeus eram um povo totalmente imerso na idolatria; eles cultuavam a muitos deuses com seus ritos absurdos e abomináveis. Mesmo diante dessa realidade, aqueles quatro mancebos não temeram, antes, permaneceram leais ao verdadeiro Deus sendo por Ele grandemente exaltados em terra estranha (Dn 1.18-20; 2.46-49; 3. 26 -30). Com isso, fica claro e evidente que o Senhor honra aqueles que são leais a Ele; aplica-se neste contexto o que está escrito na carta aos hebreus: "O Senhor é o meu ajudador, e não temerei o que me possa fazer o homem" (Hb 13.6).
O mistério da Fornalha
É necessário passarmos pelo fogo das provações. Estamos sendo preparados para a eternidade com Deus, por isso, cabe a nós seguirmos firmes nas promessas do Eterno.
Segundo a Bíblia, somos como vaso de barro (2 Co 4.7) e à medida que ele é passado no fogo vai adquirindo mais resistência e durabilidade para sofrer aos impactos que tentam destruí-lo. Assim somos nós. Quando provados, adquirimos graça e poder do alto para resistirmos aos impactos das tribulações da vida.
Uma vez consciente das adversidades que enfrentaremos, ou passamos por tudo isto obedecendo a Cristo tendo, no final, a coroa da vida (Tg 1.12) ou paramos no caminho desistindo de tudo. Contudo, uma coisa é certa: para os que perseveram certamente alcançarão do Senhor boas dádivas e, por fim, possuirão o Lar Eterno, promessa divina para os que amam ao Senhor.

Um comentário: