Digital clock

sábado, 26 de junho de 2010

A importância de se calar, a prudência no ouvir e a sabedoria no falar

rEclesiastes 3.7 "... tempo de estar calado, e tempo de falar..."
Mateus 12.37 "Porque por tuas palavras serás justificado, e por tuas palavras serás condenado"


Quando o Senhor Jesus exortou os Seus díscípulos à vigilância (Mt 26.41) é certo afirmar que tal admoestação se aplica em todos os sentidos da vida cristã. E um deles é o uso refreado da língua. Se todos nós fôssemos prudentes quanto ao uso deste pequeno orgão, não haveria tanto desentendimento, escândalo e intriga no meio do povo de Deus. Enquanto as almas, lá fora, nos bares, nos prostíbulos, nas drogas, vão se perdendo, nós, servos do Deus Altíssimo, nos envolvemos inutilmnte com "picuinhas" que redundam em nada a não ser para gerar confusão, ódio e tantas outras coisas que faz a Igreja caminhar em sentido retrógrado, quando deveria progredir na unidade da fé, na obediência da Palavra e na evangelização dos perdidos.
Vigiamos em muitas coisas em determinadas circunstâncias; no entanto, quando o assunto é vigiar nas palavras, titubeamos intensamente sem que nós venhamos perceber. Com muita sabedoria o escritor do livro de Eclesiastes ressaltou: "tempo de estar calado"; como discernir esse tempo na nossa vida? A própria necessidade, gerada pelas vicissitudes da vida, nos fará saber. Se Sansão soubesse viver esse tempo, certamente subsistiria diante dos seus inimigos, mormente diante de Dalila, a qual, usou de astúcia para descobrir em que consistia sua grande força. Entretanto, sem escrúpulo algum, o "pequeno sol", no abrir de sua boca, cedeu-se aos desejos de uma mulher declarando-lhe o segredo. Sem que ele mesmo o quisesse, assinalou o seu próprio fracasso: por ele querer o que o Senhor não lhe deu (Dalila) perdeu aquilo que o Senhor lhe deu (sua grande força)!
É tão fácil expor a outros nossas razões e opiniões, expressar nossos sentimentos e exigirmos que as pessoas nos ouçam. E nós? Que atitude será a nossa se alguém pedir a nossa atenção? Seremos prudentes ao ouví-lo? Podemos ir mais longe: quando pessoas proferem palavras ofensivas nada agradáveis aos nossos ouvidos. Quando dizem a nós o que não desejamos ouvir, qual a nossa reação? Foi o grande erro de Israel: por não ter dado ouvidos aos preceitos do Deus de seus pais, sofreu duramente o castigo do Todo-Poderoso. Não obstante, ainda assim o Senhor recobrava isto do Seu povo: "Ouve-me, povo meu, e eu te admoestarei. Ah! Israel se me ouvisses!" (Sl 81.8). Às vezes esquecemos que umas das grandes virtudes do cristianismo é a prudência no ouvir. Somos cristãos em muitas coisas, menos nisso! Fazemos grandes coisas e nos esquecemos das mínimas, aparentemente insignificantes mas que nos levam a grandes resultados. Prontidão para ouvir (Tg 1.19), fator que deve ser essencial na vida cristã.
"Vede quão grande bosque um pequeno fogo incendeia" (Tg 3.5) é a comparação usada por Tiago com o intuito de falar acerca do tropeço na palavra. O descuido na palavra pode se tornar pecado e até prejudicial à nossa vida espiritual com Deus e ao nosso bom convívio que temos com quem está ao nosso redor. Com palavras abençoamos, amaldiçoamos, bendizemos, maldizemos, incentivamos, desanimamos, motivamos, desmotivamos, enfim, tudo de bom ou de ruim pode proceder da boca do homem. Por uma palavra dita descuidadosamente, ferimos nosso irmão na fé; quantos que vivem afastados dos caminhos do Senhor por nossa culpa! Sim, por causa de palavras ferinas proferidas sem nenhum objetivo e sem nenhum propósito. Jesus disse: "Mas eu vos digo que de toda a palavra ociosa que os homens disserem hão de dar conta no dia do juízo" (Mt 12.36). Sejamos vigilantes e sábios a fim de que não venhamos ferir a índole e a boa fé de muitos que percorrem o mesmo caminho creêm na mesma Bíblia e adoram ao mesmo Deus. Em suma: só tem competência pra falar quem possui a humildade de saber ouvir evitando que, por suas próprias palavras, não caiam na perdição (Mt 12.37).
Há quem pense que o tropeçar nas mínimas coisas não traz consequência nenhuma. Quão enganados estão os que pensam desta forma!!! Convém que venhamos crescer na fé e adquirir maturidade espiritual mediante as Escrituras; para que sejamos vencedores em tudo por Jesus Cristo, nosso Senhor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário